Orações Coordenadas e Subordinadas

  •  Orações Coordenadas
Coordenação é um processo de ligação de frases independentes, ou seja, entre duas orações coordenadas não existe relação de dependência, uma não está dependente da outra para ter sentido próprio. 

Cada frase está ligada a outra por palavras designadas conjunções. 

Assim, as frases assumem a designação de coordenadas e as conjunções designam-se por coordenativas. As conjunções e locuções da frase é que dão nome a oração.



Alguns Exemplos:
  •  Aditivas:
  1. O Senado está em situação difícil e não tem mais como se esconder.
  2. Lúcia terminou a prova e saiu.
  3. Lúcia não fez a prova nem explicou o porquê.
  • Adversativas:
  1. A mulher tentou deter o assaltante, contudo não conseguiu.
  2. Aluna matriculada pede dispensa de disciplina, mas a universidade não aceitou o pedido.
  3. Lúcia terminou a prova, mas não assinou a lista de presença. 
  • Alternativas:
  1. Decide-se agora, ou perderás a chance de ir à Europa.
  2. Ora ele agrada, ora ele xinga.
  • Conclusivas:
  1. Acabou a grana, portanto cada um deve procurar um trabalho.
  2. Ele xinga e logo agrada, portanto é perturbado! Ele falou pouco, todavia disse o que precisava.
  • Explicativas:
  1. Não vá, porque isso nunca deu certo. 
  2. João não respondeu, pois não lhe deixaram falar. 
  3. Não fale isso, que é muito feio!

  • Orações Subordinadas
Subordinação é um processo de ligação entre duas orações em que uma se torna dependente da outra. Assim cada frase assume a designação de subordinada.



*Orações Subordinadas Relativas com Antecedente

Na identificação de uma oração relativa é preciso, em primeiro lugar, observar se existe a conjunção que na frase, e em segundo lugar, ver qual é o antecedente da conjunção que. Se o antecedente for um nome, estamos perante uma Oração Subordinada Relativa.

As orações subordinadas relativas podem ser de duas formas, Restritivas ou Explicativas.
  • Restritivas - São introduzidas pela conjunção relativa que, tendo a função de restringir a informação dada sobre o antecedente. Restringem, ou seja, limitam a significação de um nome ou pronome. São  indispensáveis na frase e como se ligam ao antecedente sem pausa não se separam por vírgulas.
  • Explicativas - São introduzidas pela conjunção relativa que, tendo a função de acrescentar ao antecedente uma qualidade acrescida, esclarecendo melhor a significação. Não são indispensáveis na frase, na fala marca-se uma pausa e aparece na escrita entre vírgulas.
Resumindo e Concluindo:

Você está perante uma Oração Relativa com Antecedente. Para identificar se ela é Restritiva ou Explicativa, é fácil, basta observar se na frase existe algo entre vírgulas, se existir é uma Explicativa, se não existir é uma Restritiva.
---------------------------------------------------------------

Em relação as Orações Subordinadas Concessivas, estas transmitem uma ideia de oposição/ obstáculo, sendo assim, a ação enunciada na oração subordinante irá se realizar mesmo tendo uma oposição. 

Existem três formas de expressão da Subordinada Concessiva, ou seja, encontrando uma destas três situações você está perante este tipo de Subordinada, observe:

  • Tendo umas destas conjunções: Embora, conquanto, ... + Conjuntivo;
  • Tendo uma destas locuções: Ainda que, mesmo que, posto que, nem que, se bem que,... + Conjuntivo;
  • Tendo expressões circunstanciais + Infinitivo ou Gerúndio. 
------------------------------------------------------------------

 A Oração Subordinada Consecutiva é a orações subordinada que se apresenta como a consequência da subordinante onde aparece uma conjunção de ligação.

De maneira qu; de modo que; de tal maneira que; de forma que; de tal sorte que; tanto .... que; tão ... que; ....

----------------------------------------------------------------------

A Oração Subordinada Comparativa estabelece uma relação de comparação e por vezes o verbo está omitido (subentendido).
ex:. =Como
Tal como um guerreiro enfurecido, Anderson correu para salvar sua pátria.


----------------------------------------------------------------------

Alguns Exemplos:

  • Causais (Exprimem a causa do facto que ocorreu na oração principal):
  1. A menina chorou porque apanhou da mãe
  2. que está chovendo vamos dormir. (Já tem significado de como (com sentido de porque). Como está chovendo vamos dormir).
  • Temporais (Indicam circunstância de tempo):
  1. Logo que chegou, sentou-se no sofá.
  2. Quando chegou, sentou-se no sofá.
  • Comparativas (Existe uma comparação):
  1. Essa mulher fala como um papagaio...
  • Finais (Exprimem finalidade):
  1. Todos estudam para que possam vencer.
  • Condicionais (Expressa uma condição):
  1. Se chover, não irei à praia.
  • Concessivas (Indica uma concessão):
  1. Embora chova, vou à praia.
  • Consecutivas (Traduz consequência):
  1. Falei tanto, que fiquei rouco.
  • Relativas Restritivas:
  1. Os livros de Machado de Assis que eu li são muito bons.
  • Relativas Explicativas:
  1. Os livros de Machado de Assis, que eu li, são muito bons.
  • Integrantes:
  1. Ela jurou que não fizera nada.